Palácio da Pena

Lisboa e arredores (Parte III – final)

facebooktwittergoogle_pluspinterestmail
3+

Na última parte dos arredores de Lisboa, fomos conhecer Sintra, a primeira parada foi O Cabo da Roca, o ponto mais ocidental do continente europeu. Segundo Camões, em Os Lusíadas: “Onde a terra se acaba e o mar começa”.

Local de esplêndida beleza à 40 km de Lisboa. No local há um farol de 22 metros e altura, que foi erguido à mando de Marques do Pombal em 1758, mas começou a funcionar somente em 1772. A fauna e flora do local é um encanto a parte com espécies únicas.

Cabo da Roca

Cabo da Roca

Cabo da Roca

Cabo da Roca

Cabo da Roca

Cabo da Roca

Cabo da Roca

Cabo da Roca

Cabo da Roca

Cabo da Roca

Cabo da Roca

Cabo da Roca

Cabo da Roca

Cabo da Roca

Já na Vila de Sintra, uma parada entre os muitos restaurantes no centro histórico, um petisco antes do almoço, queijo e vinho! Uma parada para contemplar a beleza do Palácio Nacional de Sintra, de origem moura.

Centro histórico de Sintra

Centro histórico de Sintra

Palácio Nacional de Sintra

Palácio Nacional de Sintra

Seguimos para o Parque Nacional da Pena, para visitar o famoso e colorido Palácio da Pena. A entrada no parque dá direito a visitação, custando aproximadamente 14 euros. O Palácio e seu interior intacto com móveis e peças da realeza, te transporta no tempo, parecendo ter saído de um conto de fadas. Construído pelo rei D. Manuel I, o antigo convento de monges jerônimos de Nossa Senhora da Pena estava em total abandono, quando em 1838 o rei D. Fernando II o comprou, fez uma série de reformas e em 1848 o ampliou.

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Palácio da Pena

Com uma vista belíssima, é possível avistar o Castelo dos Mouros, que fica a 412 metros do nível do mar, hoje em ruínas, foi construído no século X.

Há muito o que ser ver em Sintra, mas como estávamos de passagem seguimos para Cascais. Para almoçar foi difícil escolher um restaurante entre muitas opções, já que era um melhor que o outro. Passeando pelo centro muita gente bonita, carros de luxo, um desfile a seu aberto, um belo contraste entre o oceano, antigas fortalezas, belos hotéis e o charmoso Casino de Estoril.

Antiga Fortaleza em Cascais

Antiga Fortaleza em Cascais

Cascais

Cascais

Cascais

Cascais

Casino Estoril ao fundo

Casino Estoril ao fundo

Pra mim o ponto alto foi conhecer a Boca do Inferno, um lugar cheio de magia e mistério.

Diz a lenda que um feiticeiro mandou trazer a mulher mais linda para ser sua esposa, quando viu tamanha beleza, com ciúmes e medo de perdê-la, a aprisionou em uma torre com seu fiel escudeiro para protegê-la, mas ambos se apaixonaram e resolveram fugir. O feiticeiro quando soube, criou uma tempestade gigante e fez a terra tremer, e começar a se abrir. Uma destas fendas sugou o casal, o mar voltou a calmaria, mas a fenda nunca se fechou. Lendas a parte, é encantador ver o balé do mar na enorme fenda da rocha, causada provavelmente por anos de erosão e ação do mar.

Boca do Inferno

Boca do Inferno

Boca do Inferno

Boca do Inferno

Boca do Inferno

Boca do Inferno

Boca do Inferno

Boca do Inferno

Os arredores de Lisboa ficam por aqui.

Aproveite para acompanhar nossa página no Facebook e nos seguir no Instagram e noTwitter!

Até a próxima! 😉

Comentários

facebooktwittergoogle_pluspinterestmail
The following two tabs change content below.

Patrícia Duarte

34 anos, Virginiana, Formada em Hotelaria e Turismo, curte o bom e velho Rock n' Roll, adora viajar, conhecer culturas diferentes, ama gatos, cristais, e o misticismo que habita na natureza.